Congresso busca alfabetização baseada em evidências

Secretaria de Alfabetização do MEC traz bons nomes internacionais, como Catherine Snow, mas exclui educadores do Ceale/UFMG e do CEEL, da UFPE

Foto: Freepik

Publicado em 21/10/2019

É bem possível que o Ministério da Educação, por meio da Secretaria de Alfabetização, comece a mostrar, a partir desta terça-feira (22/10), o que efetivamente pretende fazer na área para melhorar os indicadores nacionais de alfabetismo.

A começar pelo nome, o Congresso Nacional de Alfabetização Baseada em Evidências (Conabe), pretende indicar o que diz a ciência mais atual sobre o aprendizado de leitura e escrita e suas bases cognitivas. Quem deve dar a linha do evento, que acontece no auditório da Capes, em Brasília, é o presidente  científico da Conabe, Renan de Almeida Sargiani.

Pós-doutorando em Harvard (linguagem e alfabetização) e na Universidade de São Paulo (psicologia), Sargiani tem dado básica técnica ao discurso do secretário Carlos Nadalim. Com a diferença de que tem sido polido na interlocução (assim pareceu em sua entrevista de apresentação no MEC), em que, ao contrário do capcioso discurso de campanha de Nadalim, tratou de ser mais preciso na definição de métodos de ensino de leitura e escrita e abordagem fônica.

Em vídeos veiculados na internet, o atual secretário de Alfabetização desancava a professora Magda Becker Soares, da UFMG, associando uso social da leitura a socialismo e ela própria ao construtivismo, como se fosse adepta de um método que ela nem reconhece como tal. Magda Soares lançou em 2016 Alfabetização – A questão dos métodos (Editora Contexto), obra em que a disputa de métodos é vista como uma questão secundária e ultrapassada num campo que exigiria, segundo a autora, o domínio de várias estratégias para enfrentar o desafio de ensinar crianças de diferentes origens sociais.

No evento, com quatro dias de duração, há representantes de Sobral e Teresina, cidades de bom desempenho recente em avaliações, e convidados internacionais como Catherine Snow, especialista de Harvard em linguagem e letramento, e os chilenos Cristian Cox, Paulina Pizarro Laborda e Soledad Concha, da Universidad Diego Portales, do Chile, entre outros. Dos pesquisadores nacionais, destaque para Maria Regina Maluf, da PUC-SP, Ilona Becskeházy.

As áreas da psicologia, da cognição e médica parecem ter sido privilegiadas, em detrimento de representantes de uma visão mais processual do letramento. Sinal disso é que não haverá nenhum educador ligado ao Centro de Alfabetização, Leitura e Escrita (Ceale), da Faculdade de Educação da UFMG (que terá representantes de outras áreas) e nem ao Centro de Estudos em Educação e Linguagem (CEEL), da Universidade Federal de Pernambuco. Uma pena, pois seria uma ótima oportunidade de cotejar visões e ver o quanto são efetivamente distintas e o quanto tratam de fenômenos diferentes, como a parte e o todo de um processo.

Data: 22 de outubro, terça-feira (abertura) 
Horário: 9 horas 
Local: Auditório da Capes, 1° Subsolo | Setor Bancário Norte | Quadra 2 | Bloco L | 1º subsolo | Brasília-DF

Cadastre-se para receber novidades por e-mail

Mantemos os seus dados privados e os compartilhamos apenas com terceiros que tornam este serviço possível.

Curtas

  • A valorização de experiências formativas nas áreas de educação infantil e alfabetização está entre os principais destaques da 10ª edição do Prêmio Professor Rubens Murillo Marques, concurso anual promovido pela Fundação Carlos Chagas desde 2011. Voltado aos professores formadores dos cursos de licenciatura e pedagogia, o prêmio está com inscrições abertas até dia 10 de agosto de 2020. A submissão de projetos é realizada on-line. Serão premiadas três iniciativas de formadores, sendo que uma delas, necessariamente, será de educação infantil e/ou alfabetização. Os autores premiados ganham R$ 20 mil, diploma, troféu (réplica de escultura da artista plástica Vera Lúcia Richter) e publicação de texto detalhando a experiência na Série Textos FCC. O edital e o regulamento do prêmio podem ser consultados on-line, assim como a página da iniciativa, que traz informações sobre os ganhadores de anos anteriores. Texto publicado em 08/05/2020

  • Enquanto o isolamento continua em voga, a solução é distrair-se com o que pode chegar à sua casa. É o caso dos livros que estão sendo distribuídos pela plataforma digital “Eu faço Cultura”, iniciativa normalmente também voltada à distribuição de ingressos para teatro e cinema que agora está com foco apenas na literatura. No total, são 16 títulos e 2.250 livros, que podem ser pedidos diretamente pelo site, com entrega gratuita para todo o país. Entre as obras, há desde o infantil O Humor é azul – O lado engraçado do autismo, do cartunista e caricaturista Rodrigo Tratamonte, até romances históricos. No caso de Tratamonte, ele próprio é portador da Síndrome de Asperger, autismo de grau leve. Lembrando que abril é o mês da conscientização do Autismo. Há outras opções infantis, infantojuvenis e com uma pegada mais adulta, como Chama e cinzas, de Carolina Nabuco (1890-1981), livro de 1947, da mesma autora de A sucessora, que retrata o universo das mulheres em meio à sociedade burguesa na primeira metade do século 20.   Em princípio, a distribuição de ingressos para cinema e teatro deve voltar a ocorrer no mês de maio, caso não seja necessário estender por mais tempo o isolamento social. Texto publicado em 13/04/2020

  • Nestes tempos de overdose de internet, uma boa saída é tentar dar mais utilidade às horas à frente do computador. Para isso, algumas instituições estão deixando à disposição dos usuários conteúdos gratuitos, tendo em mente a abertura de novas portas para depois do término ou amenização da crise. Os cursos curtos, em sua maioria de 10 e 20 horas, são a aposta da Unicesumar, instituição que há tempos aposta na EAD. Entre os 70 cursos disponíveis, há feijão e arroz (e algum tempero) sobre marketing, mas também alguns temas que podem ajudar o usuário a conhecer novos universos, ao menos de forma introdutória. Entre eles, destaque para os cursos sobre arbitragem e resolução de conflitos, Big Data Overview e o mais tradicional, porém sempre necessário no Brasil, de Planejamento e Produção. Veja a lista completa aqui  Texto publicado em 13/04/2020

Redes Socias