Jovens são vítimas da automatização do trabalho

Segundo levantamento da Organização Internacional do Trabalho, faixa etária entre os 15 e os 24 anos é mais prejudicada com a adesão de empresas à tecnologia

Foto: Patricia Jekki/Iso Republic

Texto publicado em 12/03/2020

A automatização de diversas funções no universo do trabalho constitui uma barreira a mais para a entrada dos jovens no mercado. É o que atesta o relatório “Tendências Globais de Empregos para Jovens”, lançado pela Organização Internacional do Trabalho (OIT) no último dia 9 de março.

Segundo o estudo, os jovens entre os 15 e os 24 anos constituem o grupo de maior risco em relação à perda de funções laborais em decorrência da automatização trazida pela tecnologia. Essa ameaça aos postos de trabalho se verifica tanto nos 31 países da Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) pesquisados em seção do relatório, como em outros 12 países de média e baixa renda que também participaram do levantamento. O Brasil não está incluso. Entre os 12 países, há dois sul-americanos: Bolívia e Colômbia.

A partir dos 25 anos há declínio do risco até por volta de 45 anos na OCDE e 50 anos nos outros países. Esse maior risco de não conseguir trabalho se explica pelo fato de que, tradicionalmente, a porta de entrada de várias ocupações são aquelas funções mais repetitivas, que exigem menos discernimento do trabalhador. Elas servem para que novos profissionais passem a conhecer os processos de trabalho, aprendam a dinâmica de funcionamento de sua área e ocupação.

Um caso clássico são as petições mais simples em escritórios de advocacia, aquelas cujo texto-base costuma ser o mesmo, mudando apenas o nome dos envolvidos, seus dados pessoais e uma ou outra circunstância de contexto. Hoje em dia, principalmente nos escritórios maiores, há necessidade de um número bastante reduzido de pessoal para exercer essas funções, pois há diversos documentos padronizados que são preenchidos apenas com as poucas variáveis mencionadas acima.

A segunda faixa mais ameaçada pela tecnologia é a dos mais velhos, a partir dos 45 anos na OCDE e dos 50 anos nos outros 12 países. A diferença, provavelmente, se deve à maior carência desses países em mão de obra qualificada.

Educação e automatização

A pesquisa também indica que a formação superior ajuda a minimizar os riscos da automação. Dois padrões foram verificados com relação a isso: a universidade em formato tradicional facilita a entrada em empregos menos automatizados e a educação profissional aumenta as chances de conseguir um emprego no universo mais automatizado, mas mesmo assim traz risco.

A formação em nível superior reduz em 8,8% nos países da OCDE e em 8,6% nos de média e baixa renda o risco em relação à automatização. Esses profissionais têm mais chances de conseguir empregos menos automatizados, que exigem mais discernimento ou criatividade, além de um maior repertório cultural.

Já a educação profissional corre mais riscos na busca por trabalhos automatizados (2,5% e 2,3% mais riscos, respectivamente). Segundo o relatório, essa conclusão é compatível com estudo anterior, que apontava a obsolescência mais rápida das competências adquiridas na educação profissional do que aquelas da educação formal tradicional.

No entanto, o relatório aponta a necessidade de novos estudos nesse sentido, pois há certo consenso do papel positivo da educação profissional em algumas circunstâncias, em especial em países como Alemanha e Dinamarca, conhecidos pelo ensino dual, com grande aproximação entre escola e indústria. Nesses países, a educação profissional é uma grande porta de entrada para os jovens no mercado de trabalho. O relatório não diz, mas o difícil é estruturar o diálogo escola-indústria da mesma forma que esses dois países o fazem. Ou seja, com uma tutoria profissional treinada e um acompanhamento muito próximo do educando, além de remuneração.

Cadastre-se para receber novidades por e-mail

Mantemos os seus dados privados e os compartilhamos apenas com terceiros que tornam este serviço possível.

Curtas

  • A organização da tradicional feira Bett Educar anunciou na última quarta-feira, 25 de março, o adiamento do evento neste ano. A Hyve Eventos, empresa organizadora ainda não sabe quando o evento será realizado. A data anterior era de 12 a 15 de maio, mês em que a feira costuma acontecer. O adiamento, obviamente, é consequência da pandemia do Covid-19. O tema deste ano será “A educação de hoje nos prepara o futuro?”. A programação está dividida em quatro grandes áreas: gestão, tecnologia, formação de professores e políticas públicas. Informações sobre ingressos e programação estão disponíveis no site do evento. Texto publicado em 27/03/2020

  • De um total de 1,3 bilhões de jovens entre os 15 e os 24, população estimada pela Organização Internacional do Trabalho (OIT) nessa faixa etária, aproximadamente 267 milhões deles não trabalhavam e nem estudavam em 2019. A estimativa consta do relatório “Tendências Globais de Empregos para Jovens”, lançado pela entidade no último dia 9 de março. O número é levemente mais alto do que o registrado em 2016 (259 milhões, ou 3,08%). A previsão, no entanto, é que o número cresça para 273 milhões em 2021. Um dado preocupante é a desproporção entre homens e mulheres que não estudavam ou trabalhavam no ano passado: as mulheres eram 69,8% do total, ou seja, 181 milhões. Publicado em 12/03/2020

  • Do contingente total de 1,3 bilhão de jovens entre os 15 e os 24 anos, mais da metade (770 milhões) não estão entre aqueles considerados como força de trabalho (empregada ou não), ou seja, não estão procurando trabalho ou não se encontram disponíveis para trabalhar (muitos deles em razão de estarem estudando). É o que diz o relatório “Tendências Globais de Empregos para Jovens”, lançado pela Organização Internacional do Trabalho (OIT) no último dia 9 de março. Efetivamente trabalhando, há 429 milhões de jovens, além de outros 68 milhões tidos como desempregados (totalizam 497 milhões de jovens). O desemprego médio é de 13,6%, mas é muito variável de região para região. Na América do Norte, por exemplo, é de 9%; na África, de 30%.  Entre os empregados, no entanto, 55 milhões (13%) vivem em condição de extrema pobreza, ou seja, com menos de US$ 1,90 por dia (algo em torno de R$ 9,20 em 12 de março). Outros 17% vivem em condição moderada de pobreza, com até US$ 3,20 por dia (R$ 15,50/dia). Apesar de ainda alto, o número daqueles que se encontram em extrema pobreza caiu 20 pontos percentuais entre 1999 e 2019. As regiões que ainda apresentam índices muito alto de extrema pobreza entre os jovens são a África Subsaariana e os estados árabes. Publicado em 12/03/2020

Redes Socias